sábado, 28 de novembro de 2020

Programa Sociocultural

A programação cultural do VI Congresso Internacional de Educação Ambiental dos Países e Comunidades de Língua Portuguesa contará com vários momentos que incluem propostas dos próprios participantes e a dinâmica sociocultural da ilha. 

Quem desembarca em Mindelo constata à partida que está numa ilha de gente comunicativa, acolhedora e de espírito cosmopolita. Além da língua portuguesa, se fala chinês, coreano, inglês, francês, alemão, grego, italiano, espanhol, etc., há sempre quem, numa dessas línguas lhe diz bom dia, boa noite, indica onde fica um café, restaurante ou até resenha a história da ilha.

Gente de espírito leve e descontraído, bem retratado nas obras literárias dos seus escritores, na música dos compositores e interpretes, nas telas dos pintores, ou nas artes cénicas dos seus atores.Os bares, cafés, restaurantes são às dezenas e neles há alegria e gastronomia tanto para os paladares do mundo, quanto para os sabores tradicionais e típicos das ilhas, ao som da música tradicional ao vivo.

A vida cultural é intensa, o Carnaval segue a festa do Ano Novo e constitui-se num espetáculo de rua com brilho e fantasia. Março é Mês do Teatro, e em setembro há o Festival Internacional do Teatro. Dois eventos que enchem Mindelo da fina flor das artes cénicas do mundo. Porém, entre maio e junho, o rufar dos tambores marca o compasso das festas de romaria, um misto do religioso e do profano, complementado com a gastronomia da época.

Os eventos multiplicam-se. Um dos mais recentes é o Kavala Fresk Feastival, um evento gastronómico e cultural realizado todos os anos em meados de julho e que promove uma das espécies marinhas mais representativas no consumo das famílias, a Cavala. Em agosto, a música toca mais alto. O Mindel Summer Jazz realizado na alvorada do mês, dá o mote. Este evento junta nomes do Jazz nacional e internacional, em duas noites de concertos, com grandes executantes. Em plena lua cheia de agosto, a música do mundo junta milhares de pessoas por três dias, na praia da Baía das Gatas, num convívio intercultural fenomenal, com pessoas de vários quadrantes do mundo.

Não faltam convívios nos bairros e nas Praças da cidade. No final das tardes de domingo, a banda municipal anima a Praça Amílcar Cabral, a nossa “Praça Nova”, para alegria da criançada que dança em roda. Mindelo tem muitas lojas de artesanato nacional e africano, aliás, o cartaz cultural de Mindelo inclui a Feira URDI instituída pelo Centro Nacional de Artesanato e Design que anualmente, entre novembro e dezembro, transforma a Praça Amílcar Cabral, num imenso atelier, reunindo artesãos de todas as ilhas.

Mindelo, nos versos do compositor Jotamont, é a terra onde Deus derramou a sua alegria!

Santo Antão_2 Planaltos_3 comunidades

A ilha mais ocidental de Cabo Verde é a ilha de Santo Antão, apresenta uma grande diversidade morfológica e climática, bem como uma elevada vulnerabilidade ambiental. O relevo da ilha afirma-se principalmente pela imponente cordilheira, cortada por fundos barrancos, que compreende a nordeste o Pico da Cruz (1 584m) e a sudoeste o Gudo do Cavaleiro (1 811m). Esta última elevação continua até ao Planalto Norte onde se ergue o Topo de Coroa, vulcão adormecido, que é o ponto mais alto da ilha (1979m).

O Planalto Norte, no concelho do Porto Novo tem uma população de perto de 700 habitantes dispersos por 10 comunidades. É considerada a região mais carenciada e desfavorecida de Santo Antão e uma das mais pobres de todas as ilhas de Cabo Verde. A atividade económica predominante é a criação de gado e o seu queijo de leite de cabra, é símbolo da resistência da população, tendo sido em 2017, galardoado com a medalha “Slow Cheese Award”, (Fundação Slow Food - Itália) pelo modo como os artesãos e pastores continuam a produzir respeitando a natureza, tradições e sabores e resistindo às adversidades do clima. Sem água, as populações têm de percorrer dezenas de quilómetros para se abastecerem, mas resistem, trabalham rodeados por uma paisagem desértica, de rara beleza, convivem com a adversidade, e na comunidade de Chã de Feijoal estão prontos para receber e partilhar as suas vivencias de criadores de cabras, educação das crianças e confeção de alimentos, com os congressistas.

O Planalto Leste engloba duas comunidades que fazem parte do programa de visitas do Congresso: Cova/água das Caldeiras e Pico da Cruz. De grande beleza paisagística, configura as partes superiores das principais bacias da ilha de Santo Antão, acima dos 1000 metros. Neste planalto, décadas de um laborioso e progressivo trabalho de plantação permitiu o estabelecimento de uma área florestal com mais de 1600 ha e onde se desenvolvem diferentes espécies de eucaliptos, pinheiros, cedros e acácias. A floresta sofreu em julho de 2018, um incêndio que consumiu 200 hectares da floresta. A comunidade de Pico da Cruz está muito feliz com a possibilidade de receber os congressistas que desejam conhecer a sua realidade, ajudar a limpar a floresta e degustar uma refeição cm os produtos da terra.

A segunda comunidade a receber os congressistas no Planalto Leste é Água das Caldeiras e Cova, a bela cratera de um vulcão adormecido. Uma boa parte do parque natural de Cova, Paúl e Ribeira da Torre, candidata a Património da Humanidade, com uma área de 2092 hectares, fica na reserva florestal do Planalto Leste e comporta 36 espécies da biodiversidade de Cabo Verde. Há uma variedade de plantas medicinais que são amplamente utilizadas pelas populações rurais e são oferecidas para degustação de deliciosos chás.

Nas duas comunidades os congressistas poderão apreciar o modo e vida das populações, participar em atividades de limpeza da floresta, recuperação de viveiros e confeção de alimentos.

São Vicente_ 2 Praias_1 montanha_3 comunidades

A comunidade de Norte de Baía situa-se a nordeste da Ilha de S. Vicente, a aproximadamente 9 quilómetros da cidade do Mindelo, em direção a estrada que liga a cidade à Baía das Gatas e emoldurada pela nova estrada do Calhau. Possui uma população estimada em 116 habitantes, vivendo principalmente de atividades de extração e confeção de pedras para calcetamento, e da prática de agricultura de sequeiro, na encosta do maciço do Monte Verde, quando chove. Em 2017 a comunidade recebeu o primeiro Festival Internacional de Graffiti do país, organizado pela ong Atelier Mar com apoio da cooperação portuguesa, que deixou obras de arte urbana de artistas de renome, a partir de uma ação que melhorou as casas de 17 famílias e contribuiu para abastecer de água a comunidade.

A bela praia de Norte de Baía é pouco frequentada por humanos devido às correntes marítimas e ondulação contantes, mas muito procurada pelas tartarugas para a desona.

O seu extenso areal que é constantemente martirizado pelo lixo marinho que as marés transportam ao longo do ano, apresenta formações dunares que contribuem para a beleza paisagística que caracteriza a localidade.

Os congressistas são esperados na comunidade, após colaborarem na recolha do lixo marinho, para degustarem uma deliciosa refeição tradicional e apreciarem o convívio com a sua gente.

A bela praia que recebe o nome de Grande, dista uns 14 km da cidade do Mindelo. O acesso à praia pode ser via estrada Mindelo/Baía das Gatas, ou pela estrada que liga a cidade ao Calhau.

Procurada pelos banhistas e surfistas, Praia Grande se situada no nordeste da ilha, entre Calhau e o Norte de Baia e vigiada a leste pelo Monte Verde. A pesca desportiva à vara que tanto pode ser feita na areia, como nos rochedos que delimitam a zona balnear é outro importante predicado da Praia Grande, por oferecer uma diversidade piscícola de costa.

O seu areal branco, as dunas e sua rara vegetação com espécies endémicas, contrasta com as rochas vulcânicas que a circundam e um mar de ondas constantes, por vezes agitado, dado a sua exposição à direção predominante do vento nordeste, na ilha de São Vicente.

A limpeza do lixo marinho, e outras atividades aguardam os congressistas assim como um saboroso almoço na comunidade de Calhau na companhia dos pescadores locais.

O Monte Verde é um planalto que constitui o ponto mais elevado da ilha de São Vicente, com cerca de 750 metros de altitude. Dista uns 8 km da cidade do Mindelo. Por força da altitude constitui um microclima, com temperaturas relativamente baixas e acentuada humidade, resultando em uma paisagem verdejante, que contrasta profundamente com a aridez predominante no resto da ilha.

Monte Verde é único parque natural de São Vicente e lá se pode identificar espécies vegetais exclusivos, designadamente, Agave sisalana (Sisal), Echium stenosiphon ssp. stenosiphon (Língua - de - vaca), Sonchus daltonii (Coroa de rei), Limonium jovi-barba (Carqueja), Kickxia elegans (Agrião de rocha), Davallia canariensis (Feto), Campanula jacobaea (Contra bruxa), etc.

Lá é igualmente, o centro nevrálgico das telecomunicações da ilha com o resto do mundo. Ali estão instaladas antenas para esse fim. O acesso ao planalto faz-se por uma estrada calcetada, construída ao longo da encosta. Monte Verde é um ponto de passagem obrigatória para quem visita a ilha de São Vicente, e os congressistas poderão apreciar a paisagem, apreciar a biodiversidade e conhecer os diferentes chás de plantas locais.

 

Boletim Informativo

Agenda

November 2020
S M T W T F S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5